segunda-feira, 15 de abril de 2013

APEGO AO NOTEBOOK? CUIDADO COM A SEGURANÇA

 Pensando no mundo conectado de hoje, qual seria, para você, o maior problema proveniente do roubo ou perda do seu notebook ou smartphone? Imagine perder seus documentos, fotos e músicas, e até mesmo arquivos que contam com senhas e informações importantes de sua vida. Outra pergunta: se você paga para ter um seguro de carro, visando proteção caso venha a perder o automóvel, por qual motivo essa lógica não pode ser transferida para o mundo dos bits e bytes?

Esse é um dos argumentos que a Intel tem ao lançar a oferta Anti-Theft ou Antirroubo, no bom e velho português, em parceria com a McAfee, Symantec e Absolute Software, que visa dar um amplo leque de escolhas aos usuários finais que buscam ampliar a segurança de seus dados, indo bem além do antivírus.

Antes que você se questione, por mais que a McAfee seja uma subsidiária da Intel, cada fabricante conta com sua própria oferta. “No nosso caso, vamos focar, principalmente, ampliar a segurança dos nossos Ultrabooks, que são o carro-chefe das nossas ofertas de mobilidade”, afirma Fernando Martins, presidente da Intel Brasil.

Então vamos por partes, começando pela proposta da fabricante de processadores. O Intel Antirroubo está embarcada nos Ultrabooks da Sony e Asus, mas Wanda Linguevis, gerente de produto da Intel para a América Latina, informa que todos os devices do gênero no Brasil já podem contar com o serviço, através de uma assinatura com um dos parceiros oficializados para a região. “Nós podemos disponibilizar o serviço diretamente para o consumidor, ou ele pode, também, buscar pelo contato com os nossos parceiros”, ressalta a executiva.

Como funciona a tecnologia?

O consumidor precisa entrar no sistema do fornecedor do serviço e se cadastrar, para que a solução seja ativada. A inteligência embarcada no device detecta ações que demonstram um roubo em potencial (várias tentativas de senhas erradas, por exemplo), o que aciona o Antirroubo, ou, também, caso o usuário seja, de fato, assaltado ou perca o dispositivo, o PC pode ser inutilizado com a “pílula de veneno” através da internet. “A máquina permanece inutilizada mesmo se o sistema operacional for reinstalado ou a BIOS for atualizada”, complementa Wanda. O PC pode ser facilmente reativado pela internet ou senha local ou gerada pelo servidor.

Absolute Software

A fabricante canadense Absolute Software conta com três sistemas de antirroubo de máquinas, neste caso notebooks, ultrabooks e até mesmo smartphones, sendo que duas delas estão mais inclinadas à adoção por parte de corporações. “O que estamos trazendo para o usuário é o Lo/Jack, que é capaz de fazer a segurança de dados e do dispositivo, consegue localizar o gadget através da tecnologia de geolocalização, e através de parceiros de busca e até mesmo com departamentos de segurança locais, conseguimos recuperar as máquinas roubadas”, afirma Marcelo Grandchamp, gerente-geral da NNOVAX, representante oficial da Absolute Software no Brasil.

O Lo/Jack conta com valores entre R$ 99 e R$ 229, sendo que a principal mudança para a justificar a variação de preços é o tempo de cobertura da assinatura, que é anual. As outras duas ofertas são o Absolute Computrace e o Absolute MDM Manage, como dito, voltado para gestões corporativas.
McAfee

O McAfee Anti-Theft foi exclusivamente desenhado para os Ultrabooks e foi desenvolvido, como você deve imaginar, em parceria com a Intel, exatamente pela possibilidade de tráfego entre profissionais nas duas companhias.

Como informa a companhia, todos os usuários que adquirirem um Ultrabook recebem a solução antirroubo da McAfee gratuitamente por 90 dias, e para continuar usufruindo do serviço, basta pagar R$ 79, em licença de um ano – sim, 12 meses, e não 9, descontando o período gratuito. No Brasil, os parceiros OEM da fabricante que estão disponibilizando o Anti-Theft são Login Informática, Megaware, N3 Computadores e Qbex, além, claro, dos fabricantes internacionais.

Em questões de funcionalidade, a solução da McAfee é bem parecida com os recursos disponibilizados de forma embarcada pela Intel.

Norton

No meu ponto de vista, a proposta da Norton é a mais completa de todas as que foram mostradas durante o lançamento da oferta da Intel e seus parceiros.

A solução da fabricante subsidiária da Symantec para PMEs, SoHo e usuários finais pode ser estendida para tablets, smartphones, notebooks e Ultrabooks. O Norton Anti-Theft conta com as mesmas funcionalidades que os outros apresentados acima, como o console web para gestão, bloqueio remoto, localizador, notificações de perda etc, mas tem maior escalabilidade nos valores, saindo de licença única de R$ 69, passando por uma assinatura expansível para três devices, por R$ 99, chegando até R$ 140, para até 10 licenças.

O serviço já está embarcado em máquinas da CCE (agora Lenovo) e Semp Toshiba, e pode ser contratado diretamente na loja online da fabricante, assim como no caso da McAfee e Absolute Software. Todas as soluções são capazes de encontrar aparelhos através de dados Wi-Fi, 3G ou GPS.

A dúvida

Uma pergunta muito importante: se com uma cultura de consumo final como a brasileira, que não investe em antivírus pago, por mais que a demanda exija cada vez mais aumento da segurança dos devices, será que essas ofertas vão pegar? Honestamente, acredito muitíssimo que sim, pois essa coisa do amor ao hardware, apego ao que é tangível, é muito maior do que aos dados – por mais que as informações possam significar muito mais criticidade dentro de um ambiente macro.

Otto Stoeterau, gerente de vendas da Norton para OEM na América Latina, também tem o mesmo ponto de vista, mas pondera meu ponto de vista quanto a investimento em antivírus. “As vendas de soluções básicas de seguranças para bloquear ameaças como vírus e malwares cresceu bastante na Norton. Notamos um amadurecimento neste sentido. Mas um balanço real quanto a investimentos em soluções antirroubo, seja fornecido por nós ou por qualquer outro fabricante, só poderá ser feito no primeiro trimestre do próximo ano, devido ao acompanhamento da oferta”, explica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário